Flexibilidade parental: entenda mais sobre esse tipo de licença


2 minutos de leitura

Por lei, quando uma mulher dá à luz ou adota uma criança, tem o direito de ficar 120 dias afastada, a chamada licença maternidade; já o homem, tem direito a 5 dias de afastamento, com a possibilidade de estender para 20, conhecida como licença paternidade. 

Porém, esse comportamento só reforça o abismo da desigualdade de gêneros que a sociedade ainda vive, além de não contemplar pais, mães ou responsáveis pertencentes ao grupo LGBTQIA+.

Por isso, hoje vamos abordar o tema flexibilidade parental, modalidade que muitas empresas já estão adotando para promover a igualdade e dar mais respaldo aos seus colaboradores (as) que desejam ter filhos. 

Boa leitura!

O que é flexibilidade parental

Em alguns países da Europa, os pais de recém-nascidos podem dividir o tempo de licença e escolher o período em que cada responsável ficará cuidando da criança, ou seja, eles possuem uma flexibilidade da licença

Aqui no Brasil, já existem corporações que adotam uma modalidade parecida, como a Yara, empresa química norueguesa e que possui escritório no Brasil. Conversamos com a Flávia Porto, Diretora de RH da Yara Brasil, e ela nos contou que na companhia existe a licença parental, onde o principal cuidador da criança recebe uma licença maior. 

Flávia explica que a pandemia os fez enxergar que existem avós, tios e outras pessoas que são responsáveis por uma criança além de pai ou mãe. Por isso, a iniciativa de separar em primeiro e segundo cuidador, independente se for mãe, pai ou outro grau de parentesco com a criança. 

“A gente tem recebido feedbacks muito importantes do quanto isso mudou a forma da gente olhar, não só pra gênero, mas também para as diferentes necessidades com base nas configurações familiares e nos interesses de vida das pessoas.” Conta Flávia.

Portanto, a flexibilidade parental tem como objetivo proporcionar mais conforto e segurança para a pessoa cuidadora da criança e promover mais inclusão e igualdade dentro do ambiente corporativo.

Banner divulgação material sobre 6 indicadores e métricas de diversidade e inclusão

Flexibilidade parental e a igualdade de gêneros

Em 2016, uma lei foi sancionada e a licença paternidade pode ser estendida em até 20 dias, porém, um estudo feito pela Talenses Group mostra que apenas 20% das empresas oferecem essa modalidade de licença paternidade.

Infelizmente, algumas empresas ainda possuem o pensamento de não contratar mulheres com idade considerável para ter filhos por conta do período de licença. 

Por exemplo, uma das novidades implementadas pelo time de Gente e Gestão da Gupy esse ano foi a equiparação e flexibilidade na licença parental.

Agora, 100% dos Gupiers têm direito a 6 meses de licença e flexibilidade em quando tirar parte desse período.

A partir do momento que existe a equiparação de licença entre pai e mãe, a igualdade de gênero no mercado de trabalho começa a ser promovida.

Flexibilidade parental e a diversidade

Outro ponto que é preciso considerar dentro de uma companhia e que não é contemplado pela lei, é o caso de famílias homoafetivas.

Por isso, termos como licença maternidade ou paternidade acabam sendo ultrapassados. A flexibilidade parental olha para essa questão, onde a pessoa que é a cuidadora principal pode ter uma licença maior ou optar por alternar com seu parceiro.

Sendo assim, a flexibilidade parental promove igualdade, diversidade e inclusão dentro do ambiente corporativo, além de visar uma melhor qualidade de vida para a família de seus colaboradores.

Quer saber mais sobre como atrair e manter todos os tipos de diversiadade na sua empresa? Confira o curso online e gratuitos da Gupy Academy. 

 

Banner do curso de Diversidade e Inclusão da Gupy Academy
Vamos juntos tranformar o RH da sua empresa?

Contrate a pessoa certa, sempre.

Os seus critérios de seleção, aplicados de maneira inteligente e rápida com a Gupy - o software de Recrutamento e Seleção favorito das grandes empresas do Brasil.

Solicitar demonstração →