5 perguntas e respostas sobre o trabalho do hunting

Apesar do grande número de profissionais disponíveis no mercado de trabalho, muitas vezes, eles não apresentam as características e as habilidades necessárias para a função, o que torna o processo seletivo mais difícil e demorado. Para evitar essa situação, muitas empresas investem em hunting.

Essa modalidade de recrutamento é utilizada em diferentes casos, mas se torna extremamente útil para o preenchimento de altos cargos.

Embora esse termo já faça parte da rotina de muitos profissionais de RH, algumas pessoas ainda ficam em dúvida sobre o assunto, por isso, no post de hoje vamos esclarecer as principais questões. Continue a leitura e saiba mais!

1. O que é o hunting?

Esse termo significa caçar, sendo assim, o hunting visa uma prospecção ativa de talentos no mercado de trabalho que contribuam efetivamente para o sucesso da empresa.

A caça — ou a procura — por profissionais especializados e altamente qualificados pode ser feita com candidatos que estão em busca de recolocação e também aqueles que estão empregados, mas que podem estar abertos a novas propostas.

2. Como funciona?

Essa forma de recrutamento pode ser aplicada dentro da empresa ou com a contratação de uma consultoria especializada, como acontece em muitos casos.

O trabalho do hunting começa com a descrição da vaga e a definição do perfil do candidato ideal em conjunto com a área de RH. Depois disso, tem início a busca pelos melhores profissionais, o que pode ser feito pelo banco de talentos, redes sociais, banco de vagas, ou mesmo pela rede de contatos do profissional responsável pela captação de talentos.

A aplicação de testes comportamentais e de conhecimentos, as entrevistas e a abordagem correta com técnicas de negociação também são ferramentas que ajudam a localizar e a contratar o profissional ideal para o cargo.

3. Por que contratar esse serviço?

Quem não conta com um profissional especializado em hunting na equipe pode contratar o serviço com fornecedores. A ação é positiva para empresas que estão com dificuldade para selecionar um determinado perfil com os métodos tradicionais ou que precisam preencher vagas estratégicas.

Esse serviço faz com que o recrutamento seja mais rápido e certeiro, pois a partir da busca ativa pelo perfil ideal a empresa pode eliminar algumas fases do processo seletivo, como a triagem de currículos.

4. Qual a diferença entre search e hunting?

O search é um termo comum na área de RH, e diz respeito às buscas por candidatos que demonstraram interesse pela empresa com envio de currículo, banco de talentos, entre outros canais.

Muitas organizações utilizam esse modelo de seleção, entretanto, para determinados cargos, como os de liderança, investir em hunting pode apresentar melhores resultados, já que o recrutamento é mais ativo e a empresa tem a chance de se destacar da concorrência com colaboradores e executivos mais qualificados.

5. O trabalho do hunting substitui a área de RH?

O hunting deve atuar como parceiro do setor de RH, auxiliando os profissionais da equipe na seleção dos colaboradores. Para ter sucesso nesse processo, é fundamental que as duas áreas trabalhem em conjunto para selecionar o candidato ideal e assim obter bons resultados para a empresa.

A busca e a contratação de talentos é um desafio para muitas companhias, por isso, é importante conhecer as técnicas de recrutamento e, como vimos, a estratégia de hunting pode se tornar um diferencial para o negócio.

Além do hunting, modernizar o processo de seleção pode ser positivo para a empresa. Acesse o site e conheça nossa ferramenta para recrutamento!

New Call-to-action

Inscreva-se na nossa Newsletter

Ebook: Como escolher as melhores perguntas para entrevistas de Candidatos
Painel de Indicadores de Recrutamento e Seleção Planilha Custo do Recrutamento e Seleção
Mauricio Carneiro | GUPY

Mauricio Carneiro | GUPY

Atua como Especialista de Marketing e Growth na Gupy. Depois de ter passado pelas áreas de computação e negócios, está se formando em Publicidade e Propaganda pela ECA USP. Se apaixonou pelo RH, enquanto atuava na área dentro da universidade, e pelo empreendedorismo, quando participou e liderou o Núcleo de Empreendedorismo da USP, por isso sabia que a Gupy era o lugar para ele.