Tudo o que você deve saber sobre indicadores de desempenho organizacional para gestores

6 minutos de leitura

Os indicadores de desempenho organizacional são essenciais para o sucesso da empresa. Afinal, é por meio deles que a companhia conhece seus pontos positivos e seus pontos de melhoria para criar um planejamento estratégico.

No entanto, nem todos os gestores sabem como avaliar esses indicadores de maneira certeira para que as medidas possam ser tomadas visando o crescimento da companhia. Pensando em ajudar você, vamos expor neste artigo:

  • O que são os indicadores de desempenho organizacional?
  • Quais são os mais comuns?
  • Como mensurá-los de forma correta, alinhando aos objetivos do negócio?
Aproveite e leia também: 7 indicadores de desempenho de cultura que você deve medir

O que são e para que servem os indicadores de desempenho organizacional?

Os indicadores de desempenho organizacional são dados medidos de acordo com a necessidade e a singularidade das corporações. Seu objetivo é mensurar se ela está sendo rentável, se há qualidade na gestão ou se é preciso rever suas estratégias para conquistar os resultados almejados.

Há indicadores pré-definidos e, normalmente, as empresas os adotam como base. Porém, é fundamental que o gestor compreenda que eles não são estáticos e que é viável analisá-los, focando os que se alinham mais às estratégias da companhia.

Os indicadores de desempenho, ao contrário do que se pensa, não servem somente para avaliar os lucros da empresa. Eles são relevantes também para a ordem de maneira geral. Afinal, são capazes de mensurar os erros e acertos da companhia, bem como redirecionar estratégias que visem otimizar os processos.

Uma dica interessante para iniciar sua avaliação é contar com o auxílio de um profissional de gestão financeira, possibilitando que se faça a comparação dos dados e a apuração do que está tendo mais impacto no negócio.

Qual a importância dos indicadores de desempenho para a empresa?

Os indicadores de desempenho organizacional são muito importantes para mensurar os resultados do negócio e propor melhorias capazes de otimizá-los. Utilizar essa ferramenta é muito útil para se prevenir de uma crise ou para não se afetar em demasia caso ela surja.

Afinal, os gestores já conhecem os pontos positivos e os pontos de melhoria da empresa, bem como já têm um direcionamento estratégico para sanar os desafios existentes. Logo, esses indicadores auxiliam na estruturação do trabalho dos gestores, fazem com que a corporação fique ciente de seus resultados e ajudam em seu planejamento futuro.

Além disso, os indicadores fazem com que a empresa esteja mais atenta a seus colaboradores, tomando medidas para que eles se tornem mais satisfeitos e harmônicos. Isso impacta positivamente a execução do trabalho.

Quais são os principais tipos de indicadores de desempenho organizacional?

A seguir, veremos os tipos mais comuns de indicadores de desempenho organizacional. Confira!

1. Lucratividade

O primeiro indicador de desempenho é a lucratividade. Esse item pode ser mensurado de diversas maneiras, seja de forma percentual, seja nominal, em cálculos de lucro operacional, margem de contribuição ou ativos tangíveis e intangíveis. O importante é que a companhia consiga saber se está gerando um valor melhor do que o inicial.

Dessa forma, pode-se mensurar o desempenho do negócio durante um período determinado. Logo, os gestores poderão tomar estratégias de prevenção de riscos ao conhecer o custo real da empresa. Esse indicador é muito importante para evitar que a companhia fique endividada em momentos de crise e acabe tendo que fechar.

2. Produtividade

O segundo indicador é o de produtividade, que avalia se a companhia está se saindo bem em relação a suas entregas ou se há algo a solucionar. A produtividade baixa pode indicar a desmotivação do colaborador, bem como a falta de recursos de qualidade para executar o trabalho.

No primeiro caso, é importante identificar o motivo do desânimo do profissional e aplicar treinamentos e feedbacks. Já no segundo caso, é necessário renovar o material de trabalho.

3. Qualidade

A qualidade é um indicador que promove a compreensão dos pontos de melhoria em um processo produtivo. Afinal, se não está havendo qualidade no resultado final, é indício de que algo deve ser aprimorado no processo.

Logo, deve-se ter um índice de erros aceitáveis. Caso os deslizes sejam maiores que esse índice, é preciso observar o que precisa ser realinhado.

4. Estratégia

É muito importante avaliar se as estratégias da empresa estão surtindo efeito e se ela está conquistando os resultados almejados. Afinal, não basta criar ações de melhoria, é necessário que essas ações se consolidem em melhorias práticas e mensuráveis.

Logo, ter esse indicador é fundamental para verificar a habilidade dos gestores de colocarem uma estratégia em prática e fazê-la funcionar.

Precisando de maior estratégia no seu RH? Não perca a palestra sobre o tema! Acesse agora:

Banner da planilha "Como criar valor para o negócio com uma estratégia de Analytics no RH", com um botão escrito "assista à palestra"

5. Eficiência

Esse indicador tem como objetivo avaliar a capacidade do negócio de atuar de maneira correta, ou seja, se as metas estabelecidas estão sendo cumpridas da mesma maneira como foram arquitetadas. Além disso, é analisado o foco da corporação para chegar aos seus objetivos e qual o gasto financeiro e humano que foi consumido nessa etapa.

Esse indicador pode ser mensurado por meio de uma comparação entre os procedimentos que foram feitos em tempos determinados, observando se os resultados foram conquistados dentro ou fora do prazo almejado. Também é possível determinar a quantidade de erros e acertos cometidos nesse processo.

6. Custos fixos

Os custos fixos são aqueles que a empresa tem como obrigação, pelo menos, uma vez ao mês. Estão inclusos aqui o salário dos colaboradores, as contas de luz, de água e de matéria-prima para a produção, por exemplo.

Logo, ao avaliar esse indicador, o gestor saberá se a companhia tem um desenvolvimento financeiro proporcional às suas obrigações fixas ou se há contas em demasia, podendo levar o negócio ao endividamento.

7. Faturamento

O indicador de faturamento avalia quanto o negócio está faturando mensalmente ou anualmente. Para tal, é preciso realizar um levantamento de todos os valores que entraram no caixa da companhia.

Ademais, é preciso saber quanto o negócio está produzindo e vendendo e se há um alinhamento com as metas pré-definidas.

8. Recebimento

O indicador de recebimento mostra se a empresa está recebendo na mesma medida em que está vendendo seus produtos. Há companhias com altos índices de inadimplência que optam por não aceitar notas promissórias ou cheques.

Uma alternativa para resolver essa questão seria o incentivo ao pagamento à vista ou o parcelamento no cartão de crédito, por exemplo, no qual a empresa já recebe na hora o valor integral ou parte do que foi vendido.

No entanto, é preciso controlar e avaliar o recebimento do negócio para que não haja uma discrepância entre esse valor e o faturamento.

9. Crescimento de vendas

O crescimento das vendas é mensurado pela quantidade de oportunidades de vendas em relação aos negócios que são, de fato, fechados. Ou seja, a empresa deve acompanhar sua taxa de sucesso ou taxa de conversão para avaliar se suas estratégias de vendas estão sendo eficazes.

Logo, a taxa de sucesso é um feedback do cliente em relação à qualidade do serviço prestado e indica que a companhia gera valor e proporciona uma experiência favorável ao cliente. Já as taxas de conversão indicam o sucesso da estratégia comercial que foi estabelecida.

10. Turnover

Por fim, o turnover é um indicador de desempenho mais relacionado ao público interno da empresa. Ele mensura o número de admissões e demissões de profissionais em um determinado período.

Quando o turnover está alto, muitos problemas podem ser encontrados, como uma falha nos processos de recrutamento e seleção, conflitos internos, remanejamento incorreto de colaboradores, condições desfavoráveis de trabalho, entre outros.

Fazer a retenção de talentos é muito importante. Logo, avaliar e controlar a taxa de turnover é fundamental para o sucesso da companhia.

Como escolher os indicadores mais relevantes e como fazer a avaliação deles corretamente?

Para escolher os indicadores de desempenho organizacional mais relevantes para a empresa, é preciso verificar quais são as demandas atuais da companhia. Por exemplo, se o negócio não está conseguindo entregar seus produtos no tempo estabelecido e se há uma troca muito constante de funcionários, provavelmente o problema está na gestão de equipe.

Logo, é necessário identificar os desafios e buscar entender porque eles existem, se de fato são de responsabilidade da companhia ou se surgem de outras fontes. Assim, descobrir quais medidas tomar para melhorar esses indicadores.

Já para avaliá-los corretamente, é importante que se tenha um controle de todas as informações da companhia para que elas possam ser cruzadas e gerar um denominador comum.

Contar com a ajuda da tecnologia vale muito a pena nesse caso. Afinal, não é muito interessante colecionar pastas de dados em papel, que podem ser facilmente perdidas ou adulteradas. Una todos os dados em um banco virtual, que pode ser facilmente encontrado e consultado.

Como vimos, não é uma tarefa difícil avaliar os indicadores de desempenho organizacional. Basta que se tenha disciplina e conhecimento sobre as demandas do negócio para direcionar as análises de forma eficiente. A companhia que se dedica a aprimorar seus indicadores está investindo em seu crescimento no mercado, bem como em seu prestígio com o público interno e externo.

E então, gostou do nosso artigo? Leia também sobre avaliação de desempenho dos profissionais e expanda seus conhecimentos!

Imagem de um profissional de RH relaxando enquanto a Gaia faz o trabalho operacional por ele e, ao lado, está escrito "Software de recrutamento e seleção | esqueça o excel e controle indicadores tudo em um único lugar", com um botão escrito "saiba mais"

Inscreva-se na nossa Newsletter

New call-to-action
New call-to-action
Banner do calendário do RH 2020, com um botão escrito "baixe agora"
Mariana Dias | GUPY

Mariana Dias | GUPY

Formada em Administração de Empresas pela USP e com especialização em Empreendedorismo e Inovação, Mariana é CEO & Co-founder da GUPY. Descobriu sua paixão por RH logo no início de sua carreira e foi Business Partner da área para toda a América Latina em uma multinacional do setor de bebidas. É apaixonada por desafios e por tudo relacionado a gestão de pessoas e inovação.