Entenda os impactos de não dar feedback aos candidatos


6 minutos de leitura

Para muitas empresas, infelizmente, não dar feedback para os candidatos que foram reprovados nos processos seletivos é algo comum. Embora pareça não ser uma prioridade para elas, o fato é que esse tipo de atitude pode levar a uma série de consequências.

A falta de humanização por parte das corporações é um dos aspectos que mais contribui com o declínio de sua imagem na sociedade.

Além disso, a frustração do candidato por não ter conseguido o emprego, somada à falta de retorno da empresa, são aspectos que podem causar revolta e repelir bons talentos no mercado de trabalho.

Por isso, preparamos este conteúdo para que você conheça os principais impactos de não dar feedback aos candidatos dos processos seletivos. Neste artigo, você verá:

  • por que é importante dar feedback aos candidatos;
  • os impactos de não dar feedback aos candidatos;
  • como dar feedbacks aos candidatos de um processo seletivo.

 Continue a leitura para saber mais sobre o assunto!

Por que dar feedback aos candidatos é importante?

É claro que todas as pessoas que se candidatam a uma vaga de emprego esperam alcançar a conquista, o que, naturalmente, gera um retorno da empresa. No entanto, não é difícil nos depararmos com organizações que não sabem dar um feedback negativo àqueles profissionais que não foram contratados, e esse é um grande problema.

O fato é que a imagem de uma empresa não está atrelada somente aos produtos ou serviços que oferece ao mercado. A forma como ela se comunica com os consumidores, assim como a sua maneira de administrar as relações de trabalho, são indicadores que demonstram as políticas e os valores da marca.

Sendo assim, é crucial dar feedbacks, principalmente para os candidatos que foram reprovados no processo seletivo.

Quais são os impactos de não dar feedback aos candidatos?

Veja, a seguir, alguns dos principais impactos negativos que a falta de feedbacks aos candidatos pode causar em sua empresa.

Sentimento de frustração

Se você se colocar no lugar de uma pessoa que se prontifica a participar de um recrutamento em uma empresa, investindo o seu tempo, esforço, esperança e até dinheiro (custos de condução até o local, alimentação etc), ao participar do processo seletivo, e que, mesmo depois de atuar em diversas etapas, a vaga não lhe seja concedida, verá que é natural que ela se sinta frustrada.

Porém, para que essa frustração seja nutrida e evolua para um sentimento muito pior em relação à marca, basta não dar feedback aos candidatos.

Para que você tenha uma ideia, 94% dos profissionais que se candidatam a vagas afirmam que gostariam de receber uma resposta das empresas, ainda que negativa, de acordo com o estudo Global Talent Trends, feito todos os anos pelo LinkedIn.

A pesquisa afirma, no entanto, que somente 41% deles já receberam algum tipo de retorno após serem recusados pelas organizações. Isso significa que quase 60% das empresas não demonstram preocupação ou empatia pelas pessoas que tentaram participar de seus times de profissionais.

O feedback negativo é importante porque sana a dúvida do candidato sobre a possibilidade de ser contratado, permitindo que ele volte a se dedicar integralmente a outras oportunidades de trabalho que possam aparecer.

Nova call to action

Compromete a credibilidade da empresa

Na era da transformação digital, a forte presença da tecnologia e a popularização do acesso à internet são alguns dos aspectos principais que deram voz e poder a toda uma geração de talentos.

Hoje em dia, basta um tweet mal interpretado ou uma postagem no Facebook expondo a insatisfação de uma pessoa em relação a determinado ponto para que o assunto "viralize" nas redes sociais e a imagem do negócio — que levou anos para ser construída na sociedade e no mercado — caia por terra.

Isso pode refletir diretamente nas vendas, visto que o boicote às marcas que não são humanizadas é um movimento que está ganhando cada vez mais força no decorrer dos últimos anos.

Essa é uma forma de as pessoas mostrarem ao mundo corporativo que as corporações não podem agir como bem entenderem, sem se preocupar com o que o setor costuma chamar de "capital humano". Sendo assim, não dar feedback aos candidatos, nos tempos da informação digitalizada, é correr um risco desnecessário.

Perda de talentos

Outro ponto que pode ser altamente prejudicial, devido à falta de feedback aos candidatos não aprovados, é que, ainda no contexto da transformação digital, é praticamente impossível que as atitudes negativas de uma empresa não reverberem por toda a sociedade e saiam impunes.

Para que você tenha uma ideia, hoje em dia, existem canais de comunicação criados especificamente para avaliar as empresas, como o conceituado ReclameAqui.

O mercado moderno é composto por profissionais altamente capacitados e preparados para lidar com os mais diversos desafios e demandas da era do consumo 4.0. No entanto, esses talentos também são muito exigentes em relação às empresas que decidem candidatar-se. Eles priorizam aspectos que vão muito além de um bom salário, tais como:

  • humanização das relações de trabalho;
  • clima organizacional saudável;
  • empresas que se preocupam com causas que eles acreditam;
  • organizações que têm políticas e éticas que respeitam a diversidade no ambiente de trabalho.

Como já dissemos, foi-se o tempo em que eram as corporações que ditavam as regras.

Como dar feedbacks aos candidatos de um processo seletivo?

Agora que você já conhece os principais impactos de não dar feedback aos candidatos, mostraremos algumas boas práticas que o departamento de Recursos Humanos deve aderir na hora de contatar os profissionais não aprovados.

Evite demorar para fazer contato

O primeiro passo para demonstrar que a empresa tem consideração pelo tempo de seus candidatos é não demorar para fazer contato. Como foi dito anteriormente, uma resposta negativa ainda, assim, é uma resposta, e uma porcentagem considerável dos profissionais espera que as organizações tenham esse tipo de posicionamento.

Levante os pontos de melhoria e reforce os aspectos positivos

Uma forma interessante de fazer com que a imagem da empresa mantenha-se intacta, mesmo na hora de dar um feedback negativo, é mostrar positividade ao candidato. A técnica de começar um diálogo — que tem como finalidade dar uma notícia ruim — com um elogio é muito utilizada por líderes de equipe e pode ser facilmente aplicada pelo RH.

Portanto, considere ressaltar, em primeiro lugar, os aspectos nos quais o candidato se destacou positivamente. Depois disso, levante os pontos que ele pode melhorar como profissional e, é claro, agradeça por sua participação no processo seletivo.

Forneça o feedback de forma privada

Em hipótese alguma aponte as falhas do candidato diante de um grupo de pessoas. Além de causar um enorme constrangimento ao profissional, essa atitude pode abrir uma grande margem para que ele processe a organização por danos morais. Ainda que ele não ganhe a causa, esse é o tipo de atenção que a marca não precisa em um mercado tão delicado como o atual.

Deixe as portas abertas

Um candidato não ter sido aprovado no processo seletivo em questão não significa que ele jamais deve tentar outra vaga em sua empresa. Você não vai querer perder esse profissional para a concorrência, não é verdade?

Sendo assim, é muito importante que fique claro para os candidatos que, mesmo diante de uma resposta negativa em um processo seletivo, as portas da empresa estarão sempre abertas para que eles tentem ocupar cargos na organização sempre que surgirem novas oportunidades.

Use os canais de comunicação adequados

Uma resposta negativa é constrangedora tanto para quem recebe quanto para quem a fornece. Por isso, é recomendado que a empresa utilize os canais de comunicação adequados para dar os feedbacks, como o e-mail, telefone ou, até mesmo, o WhatsApp, quando o recrutamento não tem um grande número de candidatos.

Porém, em casos de processos seletivos com menos pessoas, o ideal é ter uma conversa frente a frente, sempre respeitando o candidato na hora de apresentar as suas qualidades e as falhas. Lembrando, obviamente, de jamais fazer comparações com os resultados dos outros participantes.

Como você pôde contemplar neste conteúdo, não dar feedback aos candidatos que não foram aprovados nos processos de seleção e recrutamento pode ser um verdadeiro "tiro no pé".

Por isso, é muito importante que o RH esteja preparado para lidar com o perfil do profissional da era da transformação digital.

Nova call to action
Vamos juntos tranformar o RH da sua empresa?

Contrate a pessoa certa, sempre.

Os seus critérios de seleção, aplicados de maneira inteligente e rápida com a Gupy - o software de Recrutamento e Seleção favorito das grandes empresas do Brasil.

Solicitar demonstração →